A CRUCIFICAÇÃO E ONDE EU PERTENÇO?

06/07/2013 10:40
 


Mensagem de Karen Bishop
5 de Julho de 2013.


A noite escura continua, e para alguns, devemos ser crucificados antes que possamos ressurgir. O processo da mudança continua, enquanto a Terra e todos os seus habitantes se preparam para um novo posicionamento no universo. Este novo espaço tem modos de ser muitos novos, e assim, o velho ou deve morrer ou ser acolhido e transmutado.

Preferiríamos ser arruinados do que mudados. Preferiríamos morrer em nosso temor do que subir na cruz do presente e deixarmos morrer as nossas ilusões”. – W.H.Auden

A Terra e todos os seus habitantes estão sendo atingidos, camada por camada. As energias de cima continuam a bombardear as nossas camadas mais externas, tentando abrir a própria essência do nosso ser.

Padrões climáticos planetários que, normalmente, seguem de oeste para leste, ou horizontalmente, têm confundido os meteorologistas, enquanto experienciamos novos padrões seguindo do sul para o norte, ou verticalmente. Estes padrões estão rompendo a Terra, enquanto estão ocorrendo a erupção de vulcões, terremotos, incêndios e inundações... Tudo em uma tentativa de preparar o caminho para que ancore uma energia de vibração muito mais elevada.

“Eu não consigo pensar direito! Minha mente está confusa e a névoa no cérebro está tornando impossível compreender qualquer coisa!” 

“Eu não sei de mais nada. Nada faz sentido, e 2 + 2 não é mais igual a 4, como costumava ser. É quase impossível navegar!”

“Eu costumava saber para onde estava indo e agora não posso ver um pé a minha frente. Não tenho ideia em relação ao amanhã.” 

“Eu me sinto muito estranha. Desorientada. Presa. Sem orientação em lugar nenhum.” 

“Parece que as coisas voltaram novamente a ser como eram há alguns meses. Joe está agindo da mesma maneira novamente. Nada mudou. Isto tem levado muito tempo!” 

E alguns sentem tudo o que se passa acima e mais:

“Eu me sinto uma pessoa diferente agora. O outro “eu” não mais está perto, e isto parece bom.” 

Todas estão são manifestações da ruptura.

Podemos continuar a nos sentir deprimidos, e algumas vezes nos perguntamos se algo mudará um dia, mas o processo já mudou muito e continuará a mudar.

Nós, realmente, alcançamos a marca dos 50% em relação à ocupação de um novo espaço, e isto criou uma nova ancoragem para alguns, mas isto não acabou ainda. Em Junho, fomos liberados para este novo espaço, dando-nos mais oportunidades para perambularmos. Alguns podem ter sentido um pouco mais vivos, com um desejo de criar o novo e seguir adiante novamente.

Se pulássemos para o novo agora, ou seríamos bloqueados, ou constataríamos que o novo não se encaixa ao que precisamos, em todos os sentidos. Pode haver coisas que realmente não funcionam para nós... coisas que nos fazem hesitar... coisas que não parecem muito adequadas. 

Estamos, como sempre quando estamos sendo bloqueados, protegidos por um Deus amoroso que sabe bem mais do que nós. Se nos esquivarmos logo, podemos nos arrepender. As coisas estão realmente se acalmando e fizemos a ancoragem, mas as escolhas estão ainda sendo feitas e o estabelecimento final está ainda por ocorrer.

Podemos achar que entrar no novo parece um imenso contraste em relação a onde estivemos... ainda que tenhamos passado por um estado interminável de sofrimento por muito tempo. Isto é corretamente assim, porque o sofrimento nos aproximou mais de Deus. Isto preparou o caminho. Isto eliminou o velho e as partes desnecessárias de nós mesmos que não iriam se ajustar a este mundo muito novo.

Podemos perceber que comparado ao que está atualmente “lá fora”, nossos estados de sofrimento realmente parecem melhores e podemos constatar um estranho desejo de retornar a estes estados de vulnerabilidade, de inocência, de vazio, de entrega e uma pureza real e verdadeira que não deverá ainda ser encontrada no que permanece do mundo.

Deus tem um plano.
Deus sabe o que está por acontecer.
Deus está zelando por nós.

Quando estamos sofrendo, estamos em um estado contínuo de prece inexprimível e Deus nos ouve. Deveríamos avançar após um período muito longo de estarmos encaixotados, talvez assumindo um risco de que tenhamos que desfazer o que já criamos? Ou deveríamos escolher uma porta lateral, e permanecermos conectados a nossa nova Fonte, esperando indefinidamente até que seja o momento adequado?

Deus ama os seus filhos... todos eles, não importa o que eles escolham.

Continuamos a ficar deprimidos, e tão desconfortável quanto isto seja, está servindo a um propósito muito necessário. Podemos nos sentir como vítimas, mas quando estamos fazendo grande mudança interior, nossas próprias almas estão sempre no comando.

As coisas continuarão tanto quanto precisem, até que um novo padrão de ser seja estabelecido, de modo que não voltemos novamente aos nossos velhos modos. Se escolhermos o novo agora, e a liberdade de escolha está sempre aí, estaremos escolhendo a partir de nossos falsos eus, com a necessidade de controle, segurança e interesses próprios em mente, ou iremos escolher a partir do coração, com uma confiança completa em Deus?

Estas áreas nem sempre são pretas ou brancas, e às vezes podemos utilizar mais plenamente uma porta lateral, até que as coisas estejam certas em todos os sentidos, para que possamos avançar. Podemos não saber onde nos encaixamos e onde pertencemos neste momento no tempo, mas se houver amor e reverência presentes, iremos sempre nos encaixar aí, ainda que com o tempo.

Do meu coração para o seu

Karen

http://stelalecocq.blogspot.com.br/
http://gamabooks.com/7.4.2013.html
Tradução: Regina Drumond – reginamadrumond@yahoo.com.br
Grata Regina!

LUZ!