Ho'oponopono...como não o amar

08/04/2012 21:43

 


 

:: Rubia A. Dantés ::



Noite dessas, enquanto o sono não chegava, fiquei pensando nessas coisas, nessas brigas que a gente tem com a gente mesmo, onde uma crença puxa para um lado e outra para o lado oposto... nessas quedas de braço que fazemos o tempo todo.
Queremos uma coisa, mas nossas memórias querem outra... ou outras, e ficamos com o querer dividido...
Muitas vezes queremos algo com tanta força e certeza e não alcançamos aquilo, ou se alcançamos, logo alguma coisa dá errado... quantas vezes ao realizarmos um sonho, logo vem um medo de perder aquilo, ou a sensação de que algo ruim pode acontecer... um sentimento de não merecer... e lá vem a auto-sabotagem, dando um jeito de desandar tudo que estava caminhando tão bem.
E costumamos repetir sempre as mesmas histórias, o mesmo tipo de situação, com uma nova roupagem talvez, porque se fosse tão óbvia provavelmente não entraríamos de novo naquela história que, no fundo se revela a mesma... o mesmo padrão.

E daí a ficar reclamando e se queixando que nada dá certo é um pulo... mas, um pulo muito perigoso, porque nos leva direto para a autopiedade, aquele ciclo infindável de lástimas e de buscar energia na piedade dos outros... Pena não é amor, mas por falta dele muita gente costuma se alimentar dessa ilusão... e prefere ficar atraindo situações onde está sempre na posição de vítima indefesa.

Acho que todos nós, vez por outra, escorregamos para essas posição de vítima, mas, escorregar nem tem problema, e até nos leva a liberar o que nos levou até aí se... assumimos os 100% de responsabilidade.
Ah... esse 100%, às vezes são duros de aceitar, porque não conseguimos ver onde temos determinadas coisas das quais temos verdadeiro pavor... mas, uma olhadinha mais profunda para a gente mesmo e vamos descobrir que temos tudo dentro de nós...
Nós criamos a realidade que estamos vivendo...

Uma vez aceitos os 100% de responsabilidade que parecia tão pesado e difícil... vamos descobrir o quão precioso isso é. Isso nos tira daquela incômoda posição de vítima... afinal, se somos 100% responsáveis não somos vítimas de nada fora de nós... Nem do mundo, nem da família, nem das pessoas... do destino...de nada e, melhor ainda, passamos a ver todas essas coisas como bênçãos. Como oportunidade.

Se só essa mudança de perspectiva já é um salto de liberdade... o Ho'oponopono ainda nos brinda com a possibilidade de liberar o que em nós causa os problemas, sejam eles quais forem, com quem for, afinal não existe nada nem ninguém que nos crie problema, que não esteja dentro de nós...

Então, mãos à obra.

E que obra maravilhosa que é praticar Ho'oponopono, tão simples e tão profundo que vai limpando, com uma energia extremamente amorosa e curando as feridas mais antigas...

Hoje, Ho'oponopono é parte da minha vida assim como beber um copo dágua... se torna algo tão natural que a gente até se esquece o quanto é vital e precioso para matar a nossa sede.

Desde que conheci nunca deixei de praticar e, ultimamente, tenho praticado muito, pelo grande movimento de mudanças que anda acometendo todos nós... e quando começo a repetir... Sinto muito! Me Perdoe! Te Amo! Sou Grata! entro em um fluxo de energia tão nítido e amoroso que é quase palpável... perece que me conecto ao fluxo que é criado pelas milhares de pessoas que praticam... e sinto uma força cada vez maior.

Gratidão e Amor sempre, a quem nos trouxe essa benção do Ho'oponopono. 
Como não amá-lo?!