MISSÃO DE VIDA...

05/06/2017 20:09

Pergunta: Olá Diogo, gostaria que você me desse uma luz sobre missão de vida. De fato, estou aqui para fazer algo, ou devo simplesmente deixar a vida me levar?

Resposta:

A humanidade possui um propósito coletivo, uma meta, uma missão que se interconecta através das ações individuais que, ao se constituírem, será capaz de dissolver toda a ilusão criada pela separação e o seu principal desdobramento, que é o medo que se manifesta através da avareza, da maldade, do apego, da ansiedade e de todas as mágoas e culpas que tais atributos representam. Aquilo que os estudiosos chamam de carma (ciclo de nascimento e morte, e que pregam como uma forma divina de evoluir), nada mais é que um jogo do ego para mantê-lo preso nessa roda de samsara usando a culpa e a mágoa para garantir que esse ciclo seja eterno e contínuo.

O mecanismo usado pelo ego é bastante simples:

Se você deve para alguém a sua consciência te obriga a voltar para pagar essa dívida, e se acha que alguém te deve se obriga a voltar para cobrar aquilo que o outro está te devendo. E seguindo as demandas dessa consciência condicionada pelo jogo da cobrança e da dívida volta para uma nova vida, tornando-se ainda mais devedor e mais credor, pois veio sem memória consciente e continua a cometer os mesmos erros liderados pelo ego, sustentando assim o processo ininterrupto do carma e mantendo-se preso na Matrix.

Tudo isso nasce de uma ilusão, de um jogo de luz e sombra gerado pela perda temporária da memória cósmica que só conhece a unicidade, mas que, por receber tamanho significado da mente humana, e que se vê separada, se transformou em realidade apesar de não ser a verdade. Um sonho criado para experimentar a ilusão de criar separado de Deus tentando assumir o seu lugar, mas que não deu certo pelo simples fato de ser impossível achar qualquer tipo de plenitude separado da sua fonte, que em última instância é você mesmo unido ao Universo.

A sua missão é a expressão da sua verdadeira natureza, ou seja, a expressão do amor, trabalhando incansavelmente para criar a harmonia e a paz coletiva, pois isso é trabalhar no sentido de unir e não mais separar, e a unidade é grande missão coletiva e individual. Isso quer dizer que você precisa oferecer o que têm de melhor para o mundo e colocar esse aspecto do amor à disposição do coletivo. Você possui dons e habilidades que são únicas e só achará a plenitude quando colocar tudo isso a disposição do TODO. Porém, para que isso possa acontecer, é necessário regar essa flor com paciência e esperar o momento certo dela desabrochar, trabalhando no sentido de se libertar dos seus medos, mágoas e rancores que encobrem a sua verdadeira identidade.

De certa forma, é correto deixar a vida te levar desde que essa afirmação seja compreendida num sentido mais amplo. Deixar a vida te levar não significa fazer ou ser o que a sociedade espera que você faça ou seja. Isso é agir pelo medo e o medo sempre vai distancia-lo do amor, que é a única meta a ser alcançada. Mas, deixar a vida te levar, no sentido de se permitir ouvir o seu coração, e saber distinguir os desejos criados pelo ego, das vontades que brotam de dentro de si, é o caminho para deixar que a própria fonte da vida te conduza até a sua verdadeira missão, que é a de colocar as suas habilidades que nascem da genuína vontade a serviço do TODO.

Para fazer algo é necessário ter motivação, e para estar motivado é necessário sentir vontade. É assim que o universo se comunica com você, fazendo da vontade dele a tua própria vontade. A sua missão é conseguir separar o joio do trigo e distinguir a vontade interna do desejo. A vontade nasce do amor, da não necessidade de receber algo em troca por aquilo que está fazendo, já o desejo nasce da crença da falta, e dele nada de útil pode ser extraído.

Diogo Beltrame.