O LADO SOMBRIO DOS BUSCADORES DA LUZ

02/03/2013 13:29

 

 

Um dos principais temas da vida e dos livros da escritora americana Debbie Ford (1955-2013) foi a popularização do tema da “sombra“, conceito criado pelo psicólogo suíço Carl Gustav Jung, e que ela explorou bastante no livro “O Lado Sombrio dos Buscadores da Luz” (The Dark Side of The Light Chasers, 1998). É uma obra naturalmente introdutória mas bastante interessante e riquíssima em exemplos de como nossa sombra aparece e se projeta no mundo (e nos outros), no relato das experiências pessoais da autora e na citação de outros autores que exploraram o tema. Em virtude do seu falecimento ontem, de câncer, aos 57 anos (veja nota da família, original em inglês, escrita pela irmã Arielle Ford), selecionei 7 trechos dessa obra que li há muito tempo, mas que lembro ter elucidado com simplicidade e facilidade esse tema absolutamente essencial para o crescimento de qualquer pessoa, sem exceções.

Seguem os trechos de “O Lado Sombrio dos Buscadores da Luz” (Cultrix):

[1] “Meu amigo Bill Spinoza, um instrutor de grupo de estudos superiores da Landmark Education, diz: “Aquilo com que você não consegue coexistir não o deixará existir ”. Você precisa aprender a deixar que tudo o que você é exista. Se quiser ser livre, antes de tudo tem de “ser”. Isso significa que precisamos parar de nos julgar. Devemos nos perdoar por sermos humanos, imperfeitos. Porque, ao nos julgar, estamos automaticamente julgando os outros. E o que fazemos com os outros fazemos com nós mesmos. O mundo é um espelho de nós mesmos. Quando conseguimos nos aceitar e nos perdoar, fazemos a mesma coisa com os outros. Essa foi, para mim, uma dura lição a ser aprendida.

[2] A maioria das pessoas tem medo de encarar e assumir o seu lado sombrio, mas é lá na escuridão que você encontrará a felicidade e a sensação de estar completo com que vem sonhando há tanto tempo. Quando você usa o seu tempo para se descobrir por inteiro, abre as portas do verdadeiro esclarecimento. Uma das armadilhas da Era da Informação é a síndrome do “já conheço isso”. Com freqüência, o conhecimento nos impede de viver a experiência em nosso coração. O trabalho com a sombra não é intelectual; é uma viagem da mente ao coração. Diversas pessoas que trilham o caminho do aperfeiçoamento individual acreditam que completaram o processo, mas são incapazes de enxergar a verdade sobre si mesmas. Muitos de nós almejam ver a luz e viver na beleza do seu eu mais elevado, mas tentamos fazer isso sem integrar todo o nosso ser. Não podemos ter a experiência completa da luz sem conhecer a escuridão. O lado sombrio é o porteiro que abre as portas para verdadeira liberdade. Todos devem estar atentos para explorar e expor continuamente esse aspecto do ser. Quer você goste ou não, sendo humano, você tem uma sombra. Se não consegue vê-la, pergunte a alguém da família ou às pessoas com quem trabalha. Elas vão indicá-la para você. Pensamos que nossas máscaras mantêm nosso eu interior escondido, mas, todas as vezes que nos recusamos a reconhecer aspectos nossos e quando menos esperamos, ele dá um jeito de erguer a cabeça e fazer-se conhecido.

[3] A projeção é um fenômeno fascinante que a grande maioria das escolas deixa de ensinar aos estudantes. É uma transferência involuntária do nosso próprio comportamento para outras pessoas, dando-nos a impressão de que determinadas características estão presentes nos outros. Quando sofremos de ansiedade no que diz respeito às nossas emoções ou partes inaceitáveis da nossa personalidade, atribuímos esses aspectos – como um mecanismo de defesa – a objetos exteriores a nós ou a outras pessoas. Quando somos intolerantes com as outras pessoas, por exemplo, estamos inclinados a atribuir nosso sentimento de inferioridade a elas. Evidentemente, há sempre um “gancho” que favorece nossa projeção. Alguma qualidade imperfeita em outra pessoa ativa uma parte de nós mesmos que quer nossa atenção. Dessa forma, tudo o que não assumimos em relação a nós mesmos projetamos em outras pessoas.

[4]Instintivamente, nós recuamos diante de nossas projeções negativas. É mais fácil examinar aquilo que nos atrai do que aquilo que nos causa aversão. Se fico aborrecido com sua arrogância, é porque não estou assumindo a minha própria. Isso também é arrogância, que agora estou demonstrando sem perceber, ou a arrogância que renego, a qual serei capaz de demonstrar no futuro. Se fico aborrecido com a arrogância, preciso examinar bem de perto todos os recantos da minha vida e me perguntar o seguinte: no passado, quando fui arrogante? Estou sendo arrogante neste momento? Pode acontecer que eu me comporte com arrogância no futuro? Com certeza eu estaria sendo arrogante se respondesse não a essas perguntassem me examinar com cuidado ou sem perguntar a outras pessoas se alguma vez me viram agindo com arrogância. O ato de julgar alguém é arrogante; portanto, evidentemente, todos temos a capacidade de ser arrogantes. Se eu incorporar minha própria arrogância, não me aborrecerei com a dos outros. Vou percebê-la, mas ela não me afetará. A tomada da minha arrogância estará envolvida por uma chapa de proteção. Só quando você mente para si mesmo ou odeia alguma característica sua é que recebe uma carga emocional originada do comportamento de outra pessoa.

[5] Nossa carapaça exterior é que enfrenta o mundo, escondendo as características que constituem sua sombra. Nossas sombras são tão bem disfarçadas que, muitas vezes, mostramos uma face para o mundo quando, de fato, é o extremo oposto que realmente está dentro de nós. Algumas pessoas usam uma camada de agressividade, que esconde sua sensibilidade, ou uma máscara de humor, para cobrir sua tristeza. As pessoas que “sabem tudo” normalmente estão disfarçando o fato de se sentirem burras, enquanto que as que agem com arrogância precisam ainda revelar sua insegurança. A pessoa gentil, esconde o canalha dentro de si, e a sorridente oculta a irritada. Precisamos olhar além de nossas máscaras sociais para descobrir nosso eu autêntico. Somos mestres do disfarce, enganamos os outros, mas nos enganando também. São as mentiras que contamos a nós mesmos que temos que decifrar. Quando nunca nos sentimos completamente satisfeitos, contentes, saudáveis ou realizando nossos sonhos, é porque essas mentiras estão no nosso caminho. É assim que reconhecemos nossa sombra, quando a trabalhamos.

[6] A maioria das pessoas almeja encontrar a paz de espírito. Essa é a busca de uma vida, uma tarefa que requer nada menos do que aceitar a totalidade do seu ser. Descobrir benefícios até nas qualidades que mais odiamos é um processo criativo que necessita apenas do desejo profundo de ouvir e aprender, da vontade de liberar crenças e juízos anômalos e da prontidão para se sentir melhor. Seu verdadeiro eu não julga. Somente o ego guiado pelo medo cria juízos para nos proteger – proteção essa que, ironicamente, nos impede de chegar à realização pessoas, Precisamos estar preparados para amar tudo aquilo de que temos medo. “Meus ressentimentos escondem a luz do mundo”, como está escrito em Um Curso em Milagres.

[7] Um velho mestre diz: “O mundo é um professor para o sábio e um inimigo para o tolo”. Nenhum acontecimento é doloroso em si e por si mesmo; tudo é uma questão de perspectiva. É importante compreender que tudo o que acontece no mundo é exatamente como deveria ser. Não há erros nem acidentes. O mundo é um céu paradisíaco e um abismo sem fundo. Quando compreendemos que não podemos ter um sem ter o outro, fica mais fácil aceitar o mundo como ele é. Olho para o meu passado cheio de mentiras e de ilusão, dor e mágoa, drogas e sexo, mas sei que, sem todas essas experiências e a escuridão que me acompanhou durantetanto tampo, eu não teria sido capaz de ensinar como faço hoje. Todos os incidentes do meu passado, as noites insones, as lágrimas derramadas me deixam um pouco mais perto de cumprir a jornada da minha alma. Ninguém diz aquilo que digo da mesma maneira que eu. Ninguém faz as coisas que faço do mesmo jeito que eu. Eu sou eu e você é você. Cada um de nós é único, e todos nós temos uma jornada própria especial.

/////