PENSAR DÓI

31/08/2013 10:13
 


Por Geoffrey Hoppe 
(Canalizador de ADAMUS)
Setembro de 2013



Como foi o seu verão? O clima ainda esta quente aqui no hemisfério norte, mas todos nós sabemos que o verão está chegando ao fim, não importa o quanto nós tentemos frear a chegada da mudança de estações. Então, como foi o seu verão?

O que quer dizer que você não pode pensar sobre isso?
Você diz que não sabe se foi bom ou ruim?
Você esteve ocupado, mas você não consegue lembrar o que você fez?
Ele passou tão rapidamente, embora você não pode sequer se remontar a junho?

Junte-se ao clube. O Clube Shaumbra. Você não está sozinho.

Pensar dói.

Tem sido dessa maneira por um tempo, mas parece realmente ter vindo à tona nos últimos três meses.

Exemplo: Uma história nos flashes dos noticiários na tela da TV ou monitor do computador. Você vê as imagens e as palavras, mas mesmo assim você simplesmente não pode pensar sobre ela. Antes você podia captá-la, compreende-la, talvez até formar uma opinião ou reação. Mas hoje em dia simplesmente ela não se registra. Esta lá, mas ela não está lá. Ela está em outro mundo, mas não no seu mundo.

Que tal um pouco de drama familiar?

Antigamente quando um drama familiar levantava sua horrível cabeça do Vírus da Energia Sexual (SEV) você sentiria a atração da sedução. Mesmo se você fosse capaz de resistir de se envolver você ainda sentiria a tentação de participar. Mas agora simplesmente dói pensar sobre isso.

"Por que eles não podem ficar juntos?"
Você se questiona, ou melhor ainda: "Por que eles não podem me deixar fora disso?”

Dói pensar sobre funções mundanas humanas como finanças, compromissos, tarefas e afazeres. Seus projetos ficam mais e mais para trás, porque você só não quer se forçar na marcha mental para fazê-las.
Você mesmo parou de fazer novas entradas na sua lista "A Fazer" porque você já sabe que você não vai para o a fazer.

E o tempo ... nada parece estar na sequencia dos velhos tempos mais. Horas, dias e até meses se embaraçam juntos. Mesmo esse bom Virginiano perdeu alguns compromissos, porque eu esqueci que dia era.

Você costumava pensar no futuro, mas agora você mal pode colocar os seus braços ou mente ou em torno dele. Quando alguém pergunta o que você quer fazer (jantar, filme, um passeio no parque) simplesmente dói pensar nisso. Quando eu coloco a pergunta: "Como foi o seu verão?" você passa por um grande vazio. Diabos, você quase esqueceu que era verão!

Exatamente dói pensar nestes dias. E isso é uma coisa boa, ou pelo menos uma coisa apropriada. Você vai além da padronização do velho mental e das velhas formas de "pensamento relacional". Você/nós estamos indo além da mente. É desconfortável no início e há mesmo uma tendência a se sentir letárgico ou desanimado. É porque a sua mente está programada para o pensamento relacional, conexo, mas agora, como você transcendeu as limitações do pensamento e sentimento intelectual, os antigos pontos de conexão estão desaparecendo.

PENSAMENTO RELACIONAL

A mente é treinada para se relacionar, ou se conectar, com eventos passados. Quando alguém diz: "Vamos ver um filme" sua mente normalmente não costuma se imaginar em um potencial futuro de ir ver um novo filme, mas sim ela instantaneamente volta em suas memórias sobre experiências anteriores de ir a um cinema.

Num piscar de olhos a mente lembra como é dirigir para o cinema, ficar na fila, pegar a pipoca, ir ao banheiro bem no meio do filme, e todos os outros detalhes de aventuras passadas de ir ao cinema. Estes são os pontos relacionais utilizados pela mente para depois fazer um julgamento sobre se ir para um cinema é uma boa ideia ou má ideia. Ele transmite este julgamento a você em um pacote mental/emocional, algo que você normalmente sente em seu estômago ou no peito. Mas não é realmente um verdadeiro sentimento sensorial.

Usamos o pensamento relacional em quase tudo que fazemos. Muito pouco do nosso impulso vem da nossa inteligência criativa. Se nós estamos avaliando o nosso talão de cheques, cozinhando o jantar, dirigindo para o supermercado ou participando de uma reunião de negócios, a mente se baseia no pensamento relacional.

Ele se conecta com as memórias do passado para determinar como responder no momento. O benefício do pensamento relacional é que nós usamos os dados e experiências anteriores para nos guiar ao longo do dia ao invés de ter que aprender tudo de novo outra vez. A desvantagem é que nos tornamos dependentes do passado e permitimos que a mente julgue o que foi positivo ou negativo.

INTELIGÊNCIA SENSORIAL

Dói pensar neste exato momento porque você está expandindo para além do pensamento relacional. Você está permitindo que a sua divindade desperte e junto com ela vem a inteligência sensorial. Isto não é nada de novo. Inteligência sensorial é inerente a consciência do Eu Sou, mas raramente é aplicada nesta realidade 3D,  especialmente na nossa Era Mental atual.

A inteligência sensorial inclui intuição, sabedoria, consciência e sensibilidade. É infinitamente mais natural para nós do que nosso estado mental do ser, ainda fomos programados (ou programamos nós mesmos) para acreditar apenas no que vem da nossa mente e dos cinco sentidos humanos.

A inteligência sensorial sempre esta lá e sempre nos servindo, mas temos essencialmente virado nossas costas para isso em favor da experiência mental limitada. Defendemos e lutamos pelo nosso mental, pensamento relacional, mesmo quando nosso conhecimento sussurra que há muito, muito mais para a vida.

Inteligência sensorial é sabedoria sem pensar. Como seres sensoriais nós somos muito mais proficientes no sentimento (sentir) das energias e consciência do que quando estamos no pensamento. O pensamento é lento, cansativo, limitado e com base no passado. Inteligência sensorial é imediata, estimulante, expansiva e com base em uma miríade de potenciais. A mente pode ser facilmente enganada e iludida, enquanto inteligência sensória busca a verdade, a pureza e a experiência.

O QUE FAZER?

Pensamento relacional mental estará conosco pelos tempos vindouros. Eu posso escrever este artigo porque meu pensamento relacional lembra como formar palavras, digitar no meu Mac e ver qual é a hora de conhecer o meu prazo. Mas minha cabeça dói para escrever este artigo porque ela não entende - ou quer entender – a inteligência sensorial.

Você não pertence à escuridão, mesmo que você tenha brincado por lá, e você não pertence à consciência mental limitada também. O desafio é que você não pode pensar seu caminho para fora da escuridão ou das limitações. Há uma tendência de pensar ou querer ou lutar contra o seu caminho para a iluminação, mas de todas as coisas que eu aprendi, e de acordo com a sabedoria dos Mestres Ascensos, tudo se trata de permissão.

Eu luto com permissão, que é uma afirmação engraçada por si só, porque não deveria haver nenhum grande esforço com permissão. Eu não quero lutar, fazer um grande esforço, mas é como pular em uma montanha-russa e tentar permanecer totalmente calmo e aberto durante todo o passeio selvagem. Nossos mecanismos internos respondem automaticamente com medo, restrição e sobrevivência.

Permissão é a confiança e aceitação de que tudo o que acontece com você agora faz parte da sua iluminação, mesmo que não pareça fazer sentido. 

No Shoud de julho Adamus disse que o "modo de viver" é "assumir que cada coisa é sobre a sua iluminação". É outra maneira de dizer que é tudo se trata de permissão.

Nós estamos mudando, porque nós pedimos pela mudança.
Nosso pensamento esta se transformando porque nós escolhemos expandir nossa consciência.

Pensar dói, pelo menos no momento, mas doeria muito mais permanecer dentro da prisão das limitações mentais.


http://stelalecocq.blogspot.com/2013/08/pensar-doi.html
Tradução: Silvia Tognato Magini silvia.tm@uol.com.br
http://www.novasenergias.net/circulocarmesim/shaunews.htm
http://www.novasenergias.net/circulocarmesim 
Grata Silvia!

LUZ!